Últimos assuntos
Anuncios

Compartilhe
Ir em baixo
Mensagens : 3
Data de inscrição : 18/07/2018
Ver perfil do usuário

Projeto de Lei Nº 021/2018

em Qua Jul 18, 2018 5:52 pm
CONGRESSO NACIONAL


                                                                                    Projeto de Lei Nº 021/2018
                                                                                Da Sra. Deputada Letizia Heman


                   Fim da imunidade Tributária para instituições Religiosas, templos religiosos e demais instituições de cunho e caráter religioso.



                                                                             O CONGRESSO NACIONAL decreta:

                   Art 1º Que seja abolida a imunidade tributária à Templos Religiosos no Brasil.


                   Art 2º Todos os Templos Religiosos deverão pagar todos e quaisquer impostos a serem determinados pelo poder público Federal, Estadual ou Municipal, ou acarretarão na proibição de prestar suas atividades em todo o Território Nacional.


                   Art 3º Esta Lei entra em vigor na data da sua publicação.


                                                                                                  Justificação


Num Estado laico não faz sentido dar imunidade tributária a uma parcela das instituições do Brasil apenas porque elas são de cunho religioso. Qualquer organização que permite o enriquecimento de seus líderes e membros deve ser tributada. Quando certos líderes religiosos abusam do conceito de liberdade religiosa, exigindo mais e mais dinheiro dos fieis para enriquecimento próprio, isso mostra que o único combate que deve ser feito é o do bolso, tirando esse privilégio que nunca deveria ter existido. Sabe-se que Estados não laicos normalmente impõem tributos apenas às outras religiões para manter o privilégio da escolhida. Mas um Estado laico deve retirar esse privilegio, e não o estender as outras religiões. No ponto de vista do Estado a igreja deve ser vista como uma empresa como outra qualquer que luta com os concorrentes (outras igrejas, principalmente de outras denominações) para obter o maior número de clientes (fiéis) e com isso ter a maior receita (oriunda de cobranças que variam de religião a outra). Esse ponto é primordial para se estabelecer que a cobrança de impostos deve existir. As igrejas não podem ser consideradas associações não lucrativas pois o seu intuito de sempre querer mais clientes mostra que ela não quer apenas fazer uma boa ação para a sociedade ela quer, na medida do possível monopolizar a crença. Associações em sua grande maioria não competem entre si, muito pelo contrario, muitas ficam "felizes" quando outra associação do mesmo fim abre para poder dividir o trabalho (Exemplo: quando uma associação de reforço escolar nova abre, a associação mais antiga pode dividir os alunos em dois centros, minimizando o trabalho que antes era exigido todo de um grupo único).

                                                                                                                                       Congresso Nacional, 18 de Julho de 2018,


                                                                         
                                                                         _________________________________
                                                                                            Letizia Heman
                                                                                         Deputada Federal
Voltar ao Topo
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum